No mundo em que vivemos hoje, somos “imperceptivelmente” convencidos de que o importante e vantajoso é cuidar de si e de nossas próprias coisas sem nos preocuparmos com o resto. Somos bombardeados por propagandas, mensagens, produtos e programas de TV que nos apontam somente a saída que consiste em satisfazer os nossos próprios desejos e vontades. Por que, afinal, deveria eu me sacrificar por outras pessoas?  E acabamos vivendo no mundo de codinome comodidade. 

 A resposta do cristianismo vem ser como que uma raia em meio ao mar, na qual as pessoas devem nadar contra a corrente, lutando e se debatendo pra chegar ao fim enquanto todo o resto bóia à vontade para o outro lado. Tal resposta dentre diversas outras “facetas” vem nos convidar ao serviço. 
Hoje, inspirados na vida de Moisés, personagem bíblico, iremos meditar em três pontos que nos ajudarão a repensar nossa vida enquanto filhos de um Deus, que se fez servo em primeiro lugar.

A primeira passagem bíblica que quero destacar é a da revelação de Deus a Moisés no monte Horeb na sarça ardente (que se encontra em Ex 3, 1-15). Aqui Deus se revela a Moisés a fim de o chamar a um serviço nada fácil, o de libertar o povo da mão dos egípcios que o oprimia a mando do faraó. No primeiro momento Moisés chega a negar a missão justificando-se com diferentes desculpas, mas ao final aceita aquela que seria a missão da sua vida, a resposta que o levaria a obedecer a Deus e encontrar o verdadeiro sentido de sua vida. E aqui deveríamos pensar que também nós devemos aceitar o chamado que Deus tem pra cada um de nós, apesar dos medos e limitações que possamos ter, Ele nos conduzirá e junto Dele não poderá mais haver desculpas. 

O segundo momento digno de reflexão será quando Moisés atravessa o mar vermelho com o povo que ele conduz para a terra prometida (Ex 14, 10-21). Nesse momento Moisés se encontrava encurralado entre o mar e o exército do faraó que vinha destruí-los quando Deus o pede para levantar sua vara e com ela ferir o mar para que este se abrisse para a passagem. Quanta fé! Quanta confiança em Deus. Também nós devemos aprender a olhar com olhos sobrenaturais as nossas dificuldades, isto é, saber confiar e depender de Deus. Aprender que não somos auto-suficientes e crer que tudo é possível aos olhos de Deus. 

O terceiro ponto encontra-se em Êxodo 17, 8-16, que é chamado “Vitória sobre Amalec” e nos traz a lição da importância daqueles que caminham ao nosso lado. Assim como Aarão e Hur sustentaram os braços de Moisés erguido durante a batalha, aprendamos que sozinhos não conseguiremos ir muito longe. Essencial é a presença dos amigos que nos sustentarão na hora das dificuldades e nos ajudarão a levantar nas quedas.

Com esses três importantes momentos da vida de Moises, aprendamos a necessidade de se por a serviço de Deus, porque só assim estaremos de fato realizando aquilo que nos completa e nos faz felizes. E um dos caminhos mais rápidos para a plenitude de nossas vidas é servir ao próximo. 


Juliana Benevides 
Estudante de Letras - Oficina de Valores

10 comentários:

Anderson Dideco disse...

Continuação da 'frase-sucesso' de ontem: "Também nós devemos aprender a olhar com olhos sobrenaturais as nossas dificuldades, isto é, saber confiar e depender de Deus. Aprender que não somos auto-suficientes e crer que tudo é possível aos olhos de Deus."
Eis tudo.

Bernardino disse...

Ju, Parabéns pelo texto! Fiquei muito sensibilizado com esta parte: "Também nós devemos aprender a olhar com olhos sobrenaturais as nossas dificuldades, isto é, saber confiar e depender de Deus. Aprender que não somos auto-suficientes e crer que tudo é possível aos olhos de Deus". Acredito fielmente que nada é impossível pra Deus, embora repetimos essa frase tantas vezes, e muitas delas ditas da boca pra fora, ou indiscriminadamente.

Anônimo disse...

Gostaria de uma explicação sobre o trecho em que, depois da abertura do mar vermelho, Deus "fecha" os paredões de água enquanto o exército do faraó passava, assassinando impiedosamente todos os seus soldados... queria um apontamento sobre o que há de bom nisso?
Onde se encontra amor num deus que, segundo o antigo testamento, é senhor da guerra, e que mata vários para proteger alguns.

Binho Kraus disse...

Bom querido anônimo que não teve a ombridade de revelar ao menos seu nome. Como poderemos estabelecer um diálogo se não nos dá nem um e-mail para comunicação? Se quer mesmo uma explicação, se busca mesmo A VERDADE, e não uma verdade qualquer que satisfaça seus preconceitos, seria bom que deixasse um canal pelo qual pudéssemos estabelecer contato. Sem isso qualquer resposta nossa seria o mesmo que falar a um fantasma. Mas já adianto a você e a todos que lerem esses comentários, que sua dúvida é bastante pertinente, e que tem uma resposta bem óbvia que não raro, passa despercebida das pessoas. Se estiver afim realmente de ter uma discussão saudável, estamos sempre abertos ao diálogo. Inclusive gostamos disso... é nosso propósito estabelecer justamente esse tipo de diálogo.

Marina Maximiano disse...

"Também nós devemos aprender a olhar com olhos sobrenaturais as nossas dificuldades, isto é, saber confiar e depender de Deus. Aprender que não somos auto-suficientes e crer que tudo é possível aos olhos de Deus."

"Essencial é a presença dos amigos que nos sustentarão na hora das dificuldades e nos ajudarão a levantar nas quedas."

"E um dos caminhos mais rápidos para a plenitude de nossas vidas é servir ao próximo."

Pra me ajudar, cito aqui um trecho de uma música que sempre incluo em minhas orações: "Maria, Santa e fiel, ensina-nos a viver como escolhidos".

Que lindo, Ju! Beijo!

Igor disse...

Binho Kraus

Eu comentei como anônimo pois fiz uma confusão com o sistema de comentários, não foi questão de ombridade :)
Em primeiro lugar, peço perdão se pareci agressivo. Não quero ofender ninguém, apenas discutir. Só pra constar, sou católico de criação, participei da Igreja durante mais de 15 anos, embora agora me considere agnóstico.
Se você puder, com minha identificação, me apontar sua visão como resposta ao meu questionamento, ficaria muito grato. Gostaria mesmo de um clareamento quanto a diversos dogmas da Igreja. Se houver algum meio de enviar um email de contato privativamente seria interessante.
Obrigado e perdão novamente

Binho Kraus disse...

Grande Igor. Eu também peço desculpas se fui ríspido. Também não foi minha intenção ofender nem ser rude com ninguém. Então cara, não tem como eu entrar em contato com você, mas se quiser, entre em contato comigo, através deste email binhokraus@gmail.com
E temos um espaço para responder dúvidas em 2 endereços um é no face https://www.facebook.com/photo.php?fbid=133306423469164&set=p.133306423469164&type=1&theater

e outro é um fórum http://quemtembocavaiaroma.livreforum.com/

Somos nós da Oficina de Valores que adiministramos todos esses espaços. O Fórum é aberto a todos, de todas as religiões ou não religiosos, é mais confuso pq é maior e tem diversas opiniões. Mas tem uma parte que é destinada somente a católicos. Sinta-se a vontade para entrar em contato por qualquer um destes canais. Forte Abraço e fique com Deus.

Vanessa Vieira disse...

Juh, excelente escrita, muito bom o texto! Fiquei emocionada, gostei muito da parte "Essencial é a presença dos amigos que nos sustentarão na hora das dificuldades e nos ajudarão a levantar nas quedas.". Parabéns, mesmo não muito perto, amo vc e sinto sua falta! Da sua amiga, Vanessa! =)

Alessandro Garcia disse...

Ola Igor,

Antes de qualquer coisa, bem vindo ao blog. É bacana saber que pessoas tem lido nossos textos mesmo quando não concordam com que dizemos.

Sobre sua pergunta, vale dizer que ela é bem recorrente desde o cristianismo primitivo. Houve até certas correntes que chegaram a dizer que o Deus do antigo testamento é diferente daquele apresentado no Novo.

O que posso dizer é que a revelação é progressiva. O livro do Êxodo, por exemplo, traduz a experiência que naquele momento se fazia de Deus. Claro que Deus guiava esta experiência e aos poucos ia se revelando mais, no entanto ele não violentou o homem e o foi ensinando pouco a pouco.

Diversas destas passagens difíceis possuem significados alegóricos muito belos.

Sei que a resposta foi superficial, mas é o que este espaço me permite. Convido-o a dar uma olhada no nosso forum de perguntas (www.quemtembocavaiaroma.livreforum.com) ou a colocar sua questão em nossa campanha "pergunte a oficina" no twiter e no facebook.

abraço fraterno,

Alessandro

Joyce Scoralick disse...

amiga, vc sabe da minha relação com seu texto, com sua pregação, com td isso...
então, acho legal destacar: "Essencial é a presença dos amigos que nos sustentarão na hora das dificuldades e nos ajudarão a levantar nas quedas."
obrigada a Deus pela sua vida!

Postar um comentário