Foto: Nair Benedicto/NImagens
(Antes de começar o texto propriamente dito gostaria de deixar claro que o título não tem nenhuma conotação pessimista, mas sim o objetivo de expressar um questionamento sincero).


Nas últimas semanas temos vivido acontecimentos que independentemente de nossa vontade, orientação política ou opinião entrarão para a história de nosso país. As manifestações que aconteceram nas últimas semanas vem gerando diversos questionamentos sobre o porquê desse movimento ter mobilizado tantas pessoas. Também não faltaram análises sobre
quais serão as consequências deste movimento. Alguns dizem que uma nova consciência política no Brasil está surgindo e existem muitas formas de nós contribuirmos para que tal “boato” se solidifique, mas as consequências de tais atos só se revelarão com o tempo.

Reivindicar direitos, realizar manifestações e protestar por causas justas são uma parte importantíssima desse processo, porém são apenas a ponta do iceberg da participação política que tem vários aspectos diferentes e complementares. Acredito que tal participação pode ser dividida em quatro aspectos: conhecimento, divulgação, mobilização e ação.

O conhecimento seria buscar compreender como funciona o nosso sistema político, estar por dentro das questões que estão sendo debatidas e a viabilidade das soluções propostas. A partir deste trabalho de conhecimento se tirar conclusões das possíveis medidas a serem propostas. 

Já a divulgação seria a partir do momento que adquirimos conhecimento sobre as questões de interesse político e as levamos para o nosso meio. Aqui não falo somente em compartilhar uma imagem no Facebook, mas sim em ter debates e conversas com as pessoas que convivemos sobre essas questões. 

Como a política é o campo onde são tomadas as decisões coletivas da sociedade, quanto mais pessoas estão mobilizadas, mais relevante se torna uma causa, logo é importantíssimo que possamos reunir aqueles que têm interesses em comum. 

A ação é a forma que utilizaremos para pleitear as medidas que defendemos. Existem diversas formas de ação, as manifestações são uma delas, mas de longe não é a única. Outros exemplos são a participação em um conselho municipal, a criação de uma comissão para fiscalizar a qualidade no ensino e cobrar melhorias, se filiar a um partido político ao qual se conhece e concorda com os princípios, etc.

Esses aspectos da vida política dão mais trabalho, muitos são até desagradáveis e seus resultados aparentemente nulos. Porém são extremamente necessários para que tenhamos uma melhora duradoura em nossa sociedade. Caso contrário, tudo pode ficar assim tão diferente, mas não necessariamente melhor.

André da Costa
Estudante de Economia  - PUC / Oficina de Valores

0 comentários:

Postar um comentário