Por: João Gabriel
Imagem de hypescience.com


Será que realmente o humor tem limites? Se analisarmos a fundo, essa pergunta pode de ser problemática. 

A resposta pra mim é: NÃO! Humor não tem limites. Vamos lá, humor se baseia em risada (ponto). Risada para alguns pode ser feita com piada nerd, piada de loira, de português, de opção sexual, de raça, de religião etc. Qualquer forma de fazer rir é considerada humor e tendo essa informação a resposta vem pronta: o humor não tem limites ou, não podia deixar de citar, the zueira never ends.

Como o humor não tem limites, o que distingue uma piada boa do humor negro? Sua ética. O humor, por si, não tem limites, mas sua ética sugere limites. Por exemplo, stand up nos Estados Unidos é feito basicamente em cima de problemas (políticos, sociais, físicos e mentais). É uma forma de "integração" para eles. A coisa não é ruim quando é feito de forma leve e sadia, mas quando há humilhação, como é feito lá, não é sadio nem frutífero.

Aonde quero chegar com isso tudo? Bom, tendo pra mim que a ética é o que limita os tipos de humor, basta saber selecionar e saber que tipo de caráter você tem. Não adianta em público condenar um humor negro se com seu amigo você zomba do deficiente físico. Agora podem me apedrejar, sim, eu já fiz isso. Não digo com orgulho, mas com vergonha.

Já escreveram um texto sobre isso no blog, vale a pena a leitura: infelizmente temos pessoas hoje que incentivam e alimentam esse tipo de humor, o que o faz ainda vivo nos tempos de hoje. Sua ética sempre irá propor limites no modo de falar, no modo de brincar e naquilo de que você ri, a questão é lutar para que sua ética seja bem formada para que você saiba realmente escolher o que ver, o que escutar e do que rir. Nem sempre a risada significa felicidade, mas pode ser a fuga da pessoa mais infeliz do mundo. E no meio dessa fuga, o humor baixo, que humilha o outro, pode ser uma maneira de descontar em alguém a própria infelicidade, e uma maneira fácil, já que, infelizmente, encontra público que aplauda.

Muitas vezes somos condenados pelo nosso senso de humor, nos tornamos monstros e nos modificamos afirmando "estar brincando". Já ouviu aquilo: "toda brincadeira tem um fundo de verdade"? De fato, muitas vezes é isso, uma ofensa é escondida por um sorriso, ou se acha que uma crítica foi feita de forma leve por ser feita em uma brincadeira. Isso constrange, afeta, machuca, traumatiza. Um humor mal feito ou feito de forma má deixa de ser humor e se torna rumor, deixa de gerar riso e gera rancor. O sorriso que colocamos no nosso rosto às custos do sofrimento alheio coloca mágoas no coração dos outros. A piada nunca é pra mim, é pro outro, não posso exigir que ele tenha o mesmo senso de humor que, muito pelo contrário, assim como existem brincadeiras que devem ser feitas, por exemplo, entre homens, ou só entre mulheres, existem piadas e brincadeiras que NÃO DEVEM SER FEITAS! 

O assunto é extenso e tem muitas vertentes, e toquei em alguns temas dos quais nem tinha programado, mas por necessidade de falar deles. Não queria me limitar só ao humor negro "grande", aquele da televisão, do Youtube, da página do Facebook, não! O humor negro se encontra em fazer um humor que machuca, o deboche, a humilhação. O que mais gostaria de partilhar (e é por isso que escrevo o texto) é que o “humor” que mais me afeta é o de pessoas próximas, que satirizam meus medos, meus sonhos, minhas opiniões. Isso constrange, esse é o humor negro de que pouco se fala, mas muito se faz, que fica escondido por ser "feito por amigos", que na realidade nesse momento deixam de agir como amigos pra gerar uma risada pública que são pedras à pessoa ofendida.

De fato, rir é sempre prazeroso, o que vem depois do riso e fica no coração é que pode ser ruim. Se você não consegue ver o sonho, a opinião, o medo, a atitude de alguém sem tirar um sarro disto e jogá-la ao chão com suas "falsas risadas", é talvez porque sinta que o seu sonho, sua opinião, seu medo e sua atitude são inferiores. Ou talvez você não tenha nenhum desses, e por esse motivo ache válido derrubar alguém pra ficar na mesma altura que você, afinal você está no chão!

Posso estar sendo repetitivo, mas o grande problema pode estar em querer mascarar machucados com assopros e beijos. Afirmar que o riso deixa o assunto mais leve pode ser pura máscara, sintoma de fraqueza e, ouso dizer, de pouca inteligência para lidar com assuntos delicados, que leva a satirizar tudo usando de péssimo humor, faltando com ética e afetando ainda a essência de algo que foi feito para ser uma risada gostosa e não uma risada que tira o gosto!

Nessa plateia da vida, vamos nos levantar, não para aplaudir, mas pra dar as costas a certos tipos de humor que temos hoje e procurar um bom lugar na comédia sadia da vida. Aqueles com quem passei dos limites e ainda hoje passo, minhas sinceras desculpas, não é à toa que escrevo o texto de hoje, é também para pedir que me ajudem a melhorar. E vamos caminhar juntos para achar um palco onde se exiba um humor sadio. Afinal viver é saber pelo que sorrir...


João Gabriel
Estudante de Biologia

0 comentários:

Postar um comentário