Começo este texto inspirado em um acontecimento recente da minha vida. Preparava-me repleto de expectativas para uma possibilidade que estava prestes a se concretizar, e na hora H... pimba! Fui pego de surpresa e aquilo que eu menos esperava aconteceu, o panorama da situação mudou completamente e vi que tudo que havia feito até então tinha sido em vão. Quantas e quantas vezes circunstâncias com o mesmo enredo se repetem em nossas vidas, não é verdade?

Há também a possibilidade de ocorrer o oposto disso: quando menos esperamos, algo de bom acontece na nossa vida de forma surpreendente! Lembro-me que a isso eu aprendi chamar de coincidência desde pequeno. Aos 6 anos, colecionando euforicamente o álbum de figurinhas do Brasileirão 96 eu precisava de R$ 0,50 para comprar um pacotinho, quando de repente olho para o chão no cantinho da calçada brilha a moeda da esperança, exatamente o valor desejado. Ao pedir as figurinhas ao dono da banca e relatar o acontecido ele me disse com um sorriso no rosto: feliz coincidência, garoto!

Por vezes encontraremos surpresas positivas, por vezes negativas, mas o fato é que não podemos fugir da realidade de que surpresas existem e estão acontecendo a todo o momento em nossa vida, seja por uma feliz ou infeliz coincidência. Curiosamente quando me tornei Católico (sou católico de criação, nesse caso considero o momento em que aderi à fé) reparei que as pessoas utilizavam outra denominação para a mesma coisa, que é providência. Intrigado, fui procurar a diferença entre elas e descobri que coincidência é a designação para algo que é fruto do acaso, não tem uma relação de causa e consequência e, portanto, não há um responsável por ela. Já a providência é causada por alguém, mais especificamente por Deus, com o objetivo de nos oferecer oportunidades de sermos melhores.

A concepção cristã é nesse caso mais bonita a meu ver, porém questionável. Pensemos no caso de um adolescente com uma doença rara que precise de um transplante urgente para continuar a sobreviver, transplante esse cuja probabilidade de sucesso é quase nula, contudo, no instante seguinte à sua internação surge inesperadamente um doador no hospital, certamente um cristão diria: Providência Divina! Contudo, imaginemos o mesmo caso só que sem o surgimento milagroso do doador, estaria a providência Divina falhando?

O blog esta semana teve um enfoque bacana na questão do sofrimento então não cabe entrar no tema novamente, o que quero trazer com este texto, primeiramente a mim e posteriormente a você querido leitor é que independente de ser um acontecimento positivo ou negativo aos nossos olhos, o melhor de Deus está sempre guardado para cada um de nós. A graça de Deus age na humanidade, se plantamos o mal colheremos o mal, não adianta culpar a providência pelas coisas que dão errado nas nossas vidas por consequência das nossas escolhas!

Mas é inquestionável que apesar de nossas escolhas, do nosso nível de organização (o que é muito importante e certamente diminui o impacto gerado pelas surpresas da vida) teremos que lidar com o inesperado sempre. E julgo que algumas coisas Deus têm a nos falar com isso:

1 – Não é a nossa vontade que prevalecerá;

2 – Qualquer pai, mãe, professor sabe que didaticamente é necessário que a criança aprenda a lidar com a frustração em alguns casos e receba bônus em outros;

3 – Quanto mais unida for a nossa vontade a vontade de Deus, menores serão os impactos dos acontecimentos inesperados na nossa vida.

É simplesmente um exercício de aceitação. Há um santo que diz: “A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça Dele não possa protegê-lo.” Parece clichê, mas é nas frustrações que aprendemos, e muito, como lidar com as grandes questões da nossa vida. Como é necessário passar por situações difíceis, mesmo quando não merecemos, para que nos demos conta de que nada é mérito nosso e tudo passa, só Deus não muda; para que aprendamos a fazer o nosso melhor sabendo que depois da bonança vem a tempestade e depois da tempestade vem bonança também, mas para se sustentar de pé tanto quando recebemos mais do que merecemos, quanto quando recebemos muito menos do que esperávamos é preciso pedir a Deus que a nossa vontade se aproxime da dEle para conseguirmos enxergar a que a sua providência nos chama! 
Rodrigo Moco 
Estudante de Psicologia - Oficina de Valores

4 comentários:

Anderson Dideco disse...

Boa consideração. Acrescento, apenas a título de curiosidade: COINCIDÊNCIA, a nível etimológico, significa "dois eventos q ocorrem simultaneamente" (co = junto; incidência = acontecimento). O q, obviamente, não desmente a casualidade apontada pelo txt do Rodrigo, mas desfaz certo equívoco de considerar coincidência o contrário de Providência.O contrário, na verdade, é 'acaso'. Por exemplo: se meu aniversário de conversão 'coincide' com o aniversário natalício de João Paulo II, posso considerar esses 'fatos que ocorrem simultaneamente' como fruto do 'acaso' ou, se prefiro, da Providência. Tudo, como sempre, uma questão de foco, de ponto de vista. Abç.

Alessandro Garcia disse...

Fala Moco...tema muito pertinente. Acho que acreditar na providência divina nos momentos difíceis um dos maiores passos de fé que uma pessoa pode dar.

Giovanna disse...

Muito bem colocada a questão. E por falta de compreensão às vezes nos frustramos por não acontecer o que queremos, na hora que queremos. Deus sabe a melhor ocasião para tudo. Como dizia o ilustríssimo Sto. Agostinho: eu tenho medo da graça que passa sem que eu perceba. Quem sabe não ter acontecido, foi uma graça? Tudo depende de ponto de vista, mas ter a visão e a percepção de Deus é algo difícil e trabalhoso e exige muita intimidade com Ele. Por isso nas situações mais complicadas, nada melhor que uma boa oração!

Rodrigo Moco disse...

Só agora me atentei para os comentários. Fico feliz que tenham gostado, Alessandro e Giovanna. Pretendo continuar trabalhando o tema de maneira mais aprofundada.

Postar um comentário