Por: Tauat

imagem de: blog.cancaonova.com


Tendo em vista que estamos em Maio, o mês que a Igreja no Brasil dedica a Maria, tentarei por meio deste texto demonstrar o caráter da humanidade da Virgem de Nazaré. Falo isso porque muitas vezes, diante das virtudes e tamanha perfeição que o Criador a concedeu, pode parecer-nos que ela é um ser que, pela sua natureza, se distingue dos outros homens. Devemos rejeitar essa falsa impressão, e afirmando que não se trata de um ser angelical ou até mesmo uma semideusa, mas de uma mulher.

                O Livro do Gênesis, ao narrar a criação, nos diz que foi a partir do ‘Fiat’ – faça-se – (cf. Gn 1, 3), que Deus tudo criou. Na plenitude dos tempos, quando o Anjo anunciou a Maria, coincidentemente reaparece o ‘Fiat’. Dessa vez, porém, não o é proferido por Deus, mas por aquela que foi escolhida para gerar Deus em seu ventre. “Fiat mihi secundum verbum tuum” – Faça-se em mim, segundo a vossa palavra – (Lc 1, 38); trata-se aqui do convite à humanidade para participar, por meio do sim de Maria, na obra redentora da criação. Sim renovador, que abriu as portas da salvação a nós.

                Dessa forma, devemos levar em consideração que, para dar o seu sim a Deus, Maria sofreu privações, dúvidas e aflições, primeiramente diante da missão de gerar Jesus: “Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?” (Lc 1, 34). Depois, quando grávida, se colocou em missão e foi à casa de sua prima Isabel ajudá-la. Precisou ainda sair de Nazaré e dirigir-se a Belém, quando, ao longo do percurso, deu à luz ao Filho de Deus em uma estrebaria e logo depois teve de fugir com o recém-nascido nos braços para o Egito, atravessando o deserto em uma época em que automóvel, trem ou avião não eram alternativas disponíveis para locomoção. Por fim, esta mulher de carne e osso, suscetível à dor e ao sofrimento, presenciou o seu único filho ser condenado, açoitado, escarnecido e morto numa Cruz. Quanto não deve ter sofrido...

                E dentre tantos aspectos de sua personalidade, a humanidade muitas vezes pode parecer-nos irrelevante diante da justa veneração que lhe é atribuída nos altares em que está representada. Não podemos, porém, perder de vista que antes de ser Santa, Mãe de Deus, Virgem e Imaculada, foi mulher e, portanto, possuía aspirações, desejos e sentimentos humanos. Que no mês dedicado a Virgem de Nazaré, possamos nos aprofundar no mistério de uma humanidade vivida em plenitude, encontrando nela um modelo acessível e seguro a ser imitado. Que o seu exemplo penetre nos nossos corações e transforme a minha e a sua vida!

Tauat Resende
Estudante de Direito - UFF / Oficina de Valores

0 comentários:

Postar um comentário