Por: André
www.gp1.com.br

Há alguns meses venho tratando de diversos temas relacionados à política em posts deste blog (Para acessar os textos clique aqui). No meu último texto, falei da importância da consciência política para que muitas das reivindicações levantadas nas manifestações do último mês de junho sejam de fato aplicadas (para ler clique aqui). Neste mesmo texto, levantei quatro pontos para uma ação política de longo prazo. Agora desejo aprofundar um pouco mais cada um deles.


Sempre ouvi dizer que o Brasil é desprezado pelos próprios brasileiros porque nós não o conhecemos bem. Os que defendem este ponto afirmam que se tivéssemos um conhecimento maior de nossa história, de
nossas riquezas e belezas naturais, da nossa diversidade cultural, e outros aspectos daquilo que chamamos de Brasil, nós daríamos mais valor ao nosso país. Com isso, teríamos uma sociedade melhor. Daí sairia a máxima “ninguém ama aquilo que não conhece”.


Creio que o mesmo raciocínio pode ser aplicado à política. De longe não pretendo afirmar que todos devemos amar a política no sentido literal. Algumas pessoas terão mais interesse do que outras, o que é natural, mas se todos conhecêssemos melhor a política acredito que daríamos a ela seu devido valor.

Quando falo de conhecer a política falo de a conhecer sobre dois aspectos principais, nossas instituições e seu funcionamento e conhecer o contexto político em que estamos inseridos e seus agentes. Mal comparando ao futebol, o conhecimento das instituições seria conhecer as regras do jogo. Já o contexto político seria conhecer os times que jogam e como anda o campeonato.

As nossas instituições são como o poder político está estruturado em nosso país, estado ou cidade. Alguns exemplos são: saber se há uma divisão clara entre poderes, qual é a função de cada um, saber a função de cada poder, entender como se dá o processo de criação e aprovação de uma lei, conhecer o processo eleitoral. Ou seja, saber “como o jogo é jogado”. Um exemplo de falta de conhecimento de nossas instituições seria cobrar algo de um nível de governo o qual ele não é responsável, como cobrar melhor patrulhamento das fronteiras de uma prefeitura. Assim, sempre que fomos reclamar algum direito ou pedir uma mudança é importante saber o “fluxo” que este deve seguir para não corrermos o risco de ter um pedido não atendido porque não “entrou na fila certa”.

Conhecer o contexto político seria, principalmente, conhecer os partidos e grupos que atuam no cenário político, e as questões relevantes que são debatidas. Ter este conhecimento é relevante, porque conhecendo as questões importantes para nossa sociedade podemos nos posicionar perante as mesmas e concordar, discordar e propor soluções. A importância de conhecer os grupos políticos, em especial os partidos, é identificar aqueles que possuem posições semelhantes às que concordamos. Pois, como veremos em outros textos, política não é algo que se faz sozinho. É através de grupos que é possível defender propor questões e defender posições que nos são relevantes.

Quando conhecemos estes dois aspectos, toda a ação política se torna mais viável, pois passamos a saber quais são meios que devem ser utilizados para a realizar, e se o ambiente político é mais ou menos favorável a tal medida. Dessa maneira evitaremos muitas desilusões vindas de uma visão turva e ingênua de como funciona a política.

Para os que desejarem segue abaixo umas dicas de como conhecer um pouco mais destes dois aspectos: Em relação ao aspecto institucional uma boa leitura é a da Constituição da República Federativa do Brasil, lá estão descritos os princípios gerais pelos quais nosso país deve ser regido. Outra sugestão são os sites órgãos como a Câmara dos Deputados, Senado Federal, Presidência da República, Superior Tribunal Federal, sites dos poderes nos níveis estaduais e municipais, etc. Em muitos destes sites constam uma seção explicando as responsabilidades deste órgão e de seus membros. Neste blog constam três textos que explicam brevemente como funciona o nível municipal de governo.

Para se familiarizar com o aspecto contextual vale a leitura de jornais e outros meios sobre os temas que estão sendo debatidos no cenário político, seja nacional, estadual ou municipal. E, se possível, ler mais de uma fonte sobre o mesmo tema, visto que existem muitos meios que seguem uma linha editorial pré-definida. Também é de extrema importância cruzar o que lemos nestes meios com o que conhecemos sobre as instituições. Para conhecer melhor os agentes políticos, em especial os partidos, uma boa opção é procurar saber qual é o seu programa partidário, ou os valores e missão que regem outros grupos, e assim descobrir estes valores condizem com os nossos.

André da Costa
Estudante de Economia - PUC - RJ / Oficina de Valores 

0 comentários:

Postar um comentário