Por: Levi

Afinal a Inquisição é um acontecimento HISTÓRICO ou na verdade ela nunca existiu verdadeiramente e só podemos ler sobre ela nos livros de contos e lendas? Ora, ela é um acontecimento histórico e, por isso, usamos métodos da História para dar crédito ao acontecido. Se você realmente quer entender tal fenômeno precisa, ainda que apenas num primeiro momento, deixar os livros de contos e lendas de lado!

Como o próprio Nachman Falbel, em Heresias Medievais, observa de forma bem clara, a origem do movimento inquisitorial é laica, no sentido em que é possível, pelo menos desde meados de 1045, identificarmos ações deliberadas da turba que executava aqueles que, segundo opinião da mesma turba, eram heréticos. Para isso também foi interessante a ação da Igreja em criar os tribunais o que, por incrível que possa parecer, impedia esses justiçamentos sem julgamento. 

Nesse sentido o Tribunal é constituído em 1231, e não em 1186, em Verona, como alguns acreditam! Por essa época era chamado de Santa Inquisição, que durou até meados do século XVI, quando passou a ser chamado de Santo Ofício. É bem verdade que estes tribunais, em muitos casos, eram usados pelo braço civil para satisfazer suas necessidades, como afirma Régine Pernoud “Ora, todo este aparelhamento de legislação contra a heresia não demoraria em ser dirigido pelo próprio poder temporal contra o poder espiritual do Papa. Sob Filipe, o Belo, as acusações contra Bonifácio VIII, contra Bernard Saisset, contra os Templários, contra Guichard de Troyes apoiam-se neste poder reconhecido no rei para perseguir os hereges. Mais do que nunca, a confusão entre espiritual e temporal joga a favor deste último”.

Para trabalhar uma segunda ideia falsa sobre Inquisição nesse instante fiz uma pesquisa no Google para saber quantos foram os “mortos pela Inquisição”; sim, isso foi preciso, porque nunca vi dados tão imprecisos que beiram, com todo respeito, a chacota - já vi números absurdos na casa dos milhões (30 milhões, acho que foi uma das menores estatísticas).

Enfim, a população europeia era de aproximadamente uns 70 milhões - vou subir esse numero que é pra facilitar a conta rsrs...era de 75 milhões. Um terço da população morreu em virtude da peste, outro terço morreu em decorrência de guerras, fomes, desastres naturais (e por que as pessoas não vivem pra sempre, elas morrem) e o último terço morreu nos braços da Inquisição.... sim, você parou nesse momento pra racionalizar os dados e percebeu que a Europa está vazia!!! Partiu pegar um pedacinho de terra na França! Deve está com mato alto pra caramba!!! HAHAHAHAHAHA

Tomemos alguns dados famosos. Bernard Gui, sim ele é famoso, até apareceu no filme O Nome da Rosa, “das 930 sentenças que Bernard Gui pronunciou em quinze anos, houve 139 absolvições, 132 penitências canônicas ou imposições de cruz, 152 obrigações de peregrinação, 307 prisões e apenas 42 entregas ao braço secular”. Tem outro famoso , Jacques Fournier, que entregou 5 pessoas para o braço secular dos 114 casos investigados. Gustav Henningsen traz alguns dados importantes sobre as ações dos tribunais na Espanha: ele diz que dos 50.000 julgamentos, pôde identificar que 775 pessoas foram executadas de verdade. Acho pertinente abrir aqui espaço para dizer que uma vida já seria o bastante, que não importa o numero, porém o que não podemos ter são dados tão fantasiosos. Retomando, o mesmo Gustav Henningsen observou que cerca de 700 pessoas foram condenadas à morte em efígie ou contumácia, e este é um dado extremamente curioso. Muitas penas capitais, ou seja, a morte, são aplicadas em efígie ou contumácia e estas entram nos dados estatísticos. E o que tem de curioso nisso? As pessoas condenadas assim não morreram de verdade, elas tiveram um boneco queimado em seus lugares. Isso mesmo, um boneco e não a pessoa! Para se ter ideia de como esses dados são tendenciosos, convido você a pensar no nome de Benedict Carpzov, já tinha lido sobre ele? Não! Sem problema, ele assinou a execução de cerca de 20 mil pessoas, na sua grande maioria mulheres acusadas de bruxaria.... ops, estava quase esquecendo, ele era luterano! 

Mesmo ainda não importando a quantidade podemos chegar a cerca de seis mil mortes pela inquisição Católica em toda a história, uns 500 anos! Sim, são muitos! Em um único ano em 1936, 6,832 membros da Igreja católica foram mortos na Espanha durante o avanço dos comunistas! Nas publicações seguintes trarei outros dados e curiosidades.

Marcos Levi
Historiador / Oficina de Valores

Como primeira sugestão um vídeo bem humorado do clássico Monty Python:



Demais sugestões:

Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, A Igreja das Catedrais e das “Cruzadas”, Quadrante, pp.

Benedict Carpzov, Practica Nova Rerum Criminalium Imperialis Saxonica in Tres Partes Divisão, Wittenberg, 1635.

Nachman Falbel. Heresias Medievais. São Paulo, Ed. Perspectiva S. A., 1977

João Bernardino G. Gonzaga. A Inquisição em seu mundo. São Paulo, Ed. Saraiva, 1993, 

H. C. Lea. Histoire de l’Inquisition au Moyen-Age. vol. I. Paris, 1986-1988, p. 121 apud J. B. Gonzaga. op. cit. (a citação foi feita atrás João Bernardino G. Gonzaga)

"El" del Banco de Dados "Santo Oficio: Las relaciones de Causas de la Inquisicion espanhola, 1550-1700", BRAH, 174, 1977

Pernoud, Régine, “Luz Sobre a Idade Média”, Ed. Europa-América, 2ª edição, 1997, Portugal.

0 comentários:

Postar um comentário