Por: Larissa Eira




A CAIXA DE PANDORA 



Camuflar a insegurança é alimentar a covardia. Não ter coragem de olhar para o próprio fracasso é ser duas vezes fracassado''.  -Padre Fábio de Melo 


Em toda a história da humanidade, observamos o POTENCIAL. Seja ele refletido na criação divina ou na humana. Desde os primórdios dos tempos, o mundo sofre constantes mudanças. E isso é visto na evolução e aperfeiçoamento das criações. 


Uma criação em particular que merece destaque das demais são as pessoas. Cada uma com seu jeito único acaba se tornando grande incógnita a ser estudada. Uma coisa é certa: todas elas possuem um enorme potencial dentro de si, seja para construir ou destruir. Não me refiro apenas à construções materiais, mas também às construções do ser como um todo. 


O século 21 tem sido marcado por inúmeros casos de depressão, suicídios e diversos transtornos emocionais. Os psicólogos e psiquiatras andam atarefados e as farmácias andam lotadas. E mesmo assim, as almas continuam vagando cansadas. Onde foi parar a genialidade das pessoas? Onde se escondeu todo o potencial que marcou o mundo um dia? Será que a caixa de Pandora foi aberta novamente espalhando todo o mal? Ou será que ela nunca foi fechada?


Pandora na Mitologia Grega foi a mais bela mulher já criada e que foi dada como estratégia de vingança. Ao receber uma caixa de presente que não poderia ser aberta, todas as desgraças sobre a humanidade foram espalhadas (a velhice, as doenças, os vícios, a mentira, etc.), restando dentro dela somente a ilusória esperança.


Acredito que essa famosa caixa possa ser vista a olho nu. Pois acabou se transformando no próprio coração dos humanos que quando aberto, tem espalhado o pior quando deveria ser o contrário. Mas, diferente dos deuses mitológicos, nós mortais possuímos escolhas. Podemos usar todo o nosso potencial e recriar nossa caixa interior, podemos retirar e colocar o que quisermos, podemos abrir a caixa e espalhar o melhor de nós mesmos. Podemos espalhar tudo que há de bom. Mas, também podemos trancar nossa caixa e não acreditar em nós. Podemos abri-la e espalhar nossa pior versão. Podemos fazer o que quisermos. Somos mestres em construir e destruir, em usar nosso potencial da forma que bem entendermos, em sermos nosso maior aliado ou nosso pior inimigo. O resultado final será sempre alcançado através das escolhas.


No dicionário, a palavra potencial possui várias definições, dentre elas destaco: “Exprime possibilidade e a quantidade de eletricidade de que um corpo está carregado.” Essa possibilidade, pode ser encontrada na forma como encaramos nossas dificuldades e delas fazemos o maior campo de eletricidade positiva em potencial. Possibilidade, energia e potencial já nascem com cada um. Afinal, viemos ao mundo por uma possibilidade, nascemos com uma energia que nos mantém vivos chamada essência e quando abrimos nossos olhos pela primeira vez, todo o potencial contido é liberado em um forte choro. E essa evolução nunca termina. Em cada fase ela é vista e vivida de forma diferente. Por algum motivo, muitos passam por essa vida e não descobrem o valor da possibilidade o sentido da energia e o tamanho do potencial. Mas por outro lado, alguns fazem disso uma verdadeira busca, e descobrem que de nada adianta viver em um mundo tão grande e se sentir tão pequeno diante de si mesmo. Não podemos mudar o que fomos, mas podemos construir o que seremos.


Larissa Eira
Estudante/Oficina de Valores

2 comentários:

Anônimo disse...

Linda reflexão! Parabéns pelo texto, um dia quero escrever tão bem assim

Mariana Guedes disse...

Parabéns pelo texto! Gostei muito!! Por isso, guardo sempre comigo a passagem biblica que diz:Deuteronômio: 11. 26. Vede que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: 27. A bênção, se obedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus, que eu hoje vos ordeno; 28. porém a maldição, se não obedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus, mas vos desviardes do caminho que eu hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que nunca conhecestes." A escolha é nossa!! Bjs

Postar um comentário