17:54
0
Por: Thales


Imagem: albertosolana.wordpress.com



“Eu tinha que ter vindo mais cedo e sozinho. Os peixes se assustaram com o barulho de vocês.” A voz de Pedro estava diferente da voz que João tinha se acostumado a ouvir nos últimos anos. Durante o tempo em que passaram juntos, Pedro tinha se tornado confiante, seguro. Uma voz que inspirava confiança. João não conseguia identificar o que estava errado na voz de Pedro naquela manhã, mas certamente seu humor não estava nada bem. Deve ser a noite mal dormida. Fazia tempo que ele não pescava. Na verdade, “pescar” não se aplicava muito bem ao que eles fizeram durante a noite. Até Tiago estava surpreso com o fato de Pedro não ter conseguido fazer com que um só peixe entrasse nas redes, a despeito das inúmeras tentativas. Definitivamente, foi uma noite ruim.


“Peguem os remos, vamos voltar.” Seria temor? Pedro certamente parecia inquieto enquanto remava. Bem, de certa forma, João conseguia entender o que se passava com ele. O que Pedro mais queria agora era fazer algo no qual ele sabia que era bom, mas o lago parecia ter zombado dele cruelmente a noite toda. Entre uma tentativa e outra, Pedro passou a noite inteira andando de um lado para o outro na barca, resmungando. Reclamava do calor, irritava-se com os insetos e praguejava quando, com facilidade, puxava a rede vazia, apenas para lançá-la do outro lado, ou para fazer com que todos levassem o barco mais para dentro do lago, em tentativas cada vez mais desesperadas de salvar o tempo que eles tinham perdido.

Tiago remava com uma preguiça lânguida, como se quisesse ficar ali também o dia todo. João podia compreender, também, um pouco o que Tiago sentia. As águas, as aves e tudo o mais pareciam cansados, monótonos. O dia estava meio nublado e a lentidão com que o sol se arrastava acima do horizonte, naquelas primeiras horas da manhã, parecia ainda mais paciente do que de costume. Até os peixes estão tristes, pensou João quando começavam a se aproximar da margem. O que aconteceu? Como chegamos a este ponto? João assustou-se quando percebeu que ele também não estava reconhecendo a si próprio. O coração parecia estar nas mãos de um sentimento frio que rastejava dentro de seu peito e tomava conta também dos seus pensamentos. Quanto tempo faz que eu não sentia... medo?

Os últimos três anos foram extraordinários. João aprendeu muitas coisas, conheceu muitos lugares, fez grandes amigos. Mas isso não foi o que realmente marcou João. O que mudou sua vida de modo radical foi conviver de perto com o Mestre. João podia lembrar com clareza das primeiras palavras que tinha ouvido de sua boca: “Vinde e vede!” A profundidade do seu olhar tocava o espírito e conquistava tanto quanto sua voz, que não só o tocava, mas o estremecia. Uma nova vez João tentou estimar o quanto devia àquele convite e ao fato de tê-lo respondido. Devo a ele a alegria. Não, mais. Devo a ele minha vida. Mais. Devo o sentido da minha vida. Devo tudo que tenho, tudo que sou. Tudo...!

Foram os melhores anos da sua vida. Com tristeza, João percebeu que sabia sim qual era esse medo que o dominava. Tenho medo desse tempo ter acabado... Será que realmente acabou? Será que vai tudo voltar ao que era antes? Será que eles eram novamente meros pescadores? Será que tudo o que resta é a decepção de ter encontrado algo tão bom, mas que não pode mais ser alcançado? O Mestre foi embora. Isso era tudo que João queria esquecer. O que Pedro queria desesperadamente se convencer de que não era verdade.

“João! De olhos fechados você não consegue remar direito!” Definitivamente, medo. A voz vacilante de Pedro retirou João de seus pensamentos. Ao abrir os olhos, João percebeu que já estavam próximos da margem, e viu que Pedro olhava para ele da ponta da barca. O olhar também está diferente.

“Amigos!” Um homem gritava e acenava para eles da margem. Ainda estavam um pouco longe, e o sol estava exatamente atrás dele, o que ofuscava a visão e impedia os que estavam na barca de ver claramente quem era. “Por acaso vocês não têm aí algo para comer?”

“Não temos, amigo”, Tiago verificava a bolsa e, olhando para Pedro, disse: “Já comemos tudo o que trouxemos e não pescamos nada essa noite”. Pedro resmungou baixo algo incompreensível, certamente se lembrando da pesca ruim e ressentindo o fato de que, para ele, os outros o culpavam pela noite ter sido um fracasso. O Mestre teria dado de comer a este pobre. João se lembrava daquela tarde gloriosa. Milhares de pessoas os seguiam. Todos se admiravam enquanto o Mestre discursava sobre amor, sobre pobreza, sobre justiça. Quando não havia mais comida, o Mestre ainda assim quis que todos permanecessem com ele. João olhava para suas mãos, tocava sua boca. Minhas mão tocaram aqueles pães, minha boca comeu aqueles peixes. Ele era, sem dúvida, o Filho de Deus.

“Nada? Mas o lago está cheio de peixes!” Por que ele teve que ir embora? “Lancem a rede mais uma vez!”. Algo na voz daquele homem soava diferente. João ainda não conseguia ver com clareza suas feições.

“Logo se vê que você não é pescador, para pedir algo assim”, disse Pedro com as mãos sobre os olhos, tentando ver melhor o homem na praia. Ele nos salvou. Mas não podia ter ficado? Havia algo mais forte do que medo no coração de João. Com as mãos no peito, ele sentia aquele profundo aperto, a grande angústia só experimentada por quem sente saudade de alguém muito amado. “Todo mundo sabe que não se pesca pela manhã!” Saudade...

“Não seja rude com o forasteiro, Pedro”. Tiago disse baixo.  “Não custa nada tentar de novo. Já pescamos muita quantidade de peixe durante o dia uma vez, não se lembra?”

Pedro lançou um longo olhar na direção de Tiago, mas na verdade estava com o olhar perdido, como se estivesse recordando-se de algo. “Bem”, falou de repente para o homem da margem. “Suponho que podemos tentar novamente”. Desenrolando as redes, Pedro colocou uma ponta na mão de João e se preparou para lançar.

“Ótimo! Mas lance à direita da barca...!” A barca estava agora mais próxima da margem e era possível escutar melhor a voz daquele homem. João tinha agora certeza que a sua voz era realmente diferente. Não seria uma voz familiar?

Pedro olhava para o homem, como se tentando reconhecê-lo. Uma brisa passou pela barca e João percebeu que algumas gaivotas estavam brincando no céu ali perto. Outros pássaros cantavam de algum lugar da praia. João estava pronto para lançar a rede. “Pedro? Podemos lançar?”

Pedro, como se despertando de uma distração, se aprontou apressadamente e eles lançaram a rede. A rede afundava enquanto eles olhavam para a água que refletia o céu azul límpido. Não foi um sonho, o Mestre ressuscitou. Já fazia dias que o Senhor tinha aparecido para eles. Parecia mesmo um sonho. E como convencer o povo? Aquele mesmo povo que o tinha crucificado? Se até mesmo Tomé duvidou, como convencer aqueles que não o viram vivo?

Tomé... A rede afundava, e João se lembrava daquele momento em que o Mestre apareceu para eles. Tomé colocou o dedo em sua ferida... A rede já tinha afundado por completo. Ele soprou sobre nós... Pedro fez sinal para João puxá-la. E disse que estaria conosco até o fim dos tempos...

Ao puxarem, perceberam que estava pesada. Antes mesmo de ver os peixes, João compreendeu. “É o Senhor!” e apontou para o homem da praia. O sol radiava sobre ele e agora não havia dúvida: o Mestre estava com eles!

Na mesma hora Pedro largou a rede e pulou na água, enquanto Tiago se esforçava para pegá-la novamente. João sentiu uma imensa alegria e sorriu. Ele está aqui, perto de nós. Ele morreu por nós. Voltou por nós. E nunca mais vai embora...

Thales Bittencourt
Oficina de Valores

0 comentários:

Postar um comentário