Por: Mariana


Desculpe-me, por favor, obrigada. 

Fazer uso dessas palavras é totalmente gratuito e acredito que elas têm poder pra transformar o mundo! Exagero dizer isso? Talvez. Mas imaginem quantas guerras, quantos mal entendidos poderiam ser evitados se após uma pessoa perceber um erro, ela simplesmente pedisse desculpa e, a partir daí, tentasse se redimir. Ou então, quantas pessoas trabalhariam mais felizes se seus chefes, ao delegarem alguma tarefa terminassem a frase com um “por favor”. 

Quando um motorista para o carro e me deixa atravessar a rua (ainda que na faixa de pedestre) eu o agradeço, porque embora seja “ético” ele me deixar atravessar, não tinha ninguém com uma arma na cabeça dele obrigando a frear o carro. Confesso que coloco um pouco mais de fé na humanidade quando vejo pequenos atos de gentileza assim. Ainda há esperança!

Ok, ninguém é obrigado a ser simpático o tempo todo e às vezes as correrias e compromissos do dia a dia nos fazem agir de forma “robótica” e nem nos damos conta de como tratamos as pessoas. Mas quem não gosta de ser bem tratado? De receber um bom dia ao sair na rua? Atitudes de carinho, respeito e atenção fazem toda a diferença. As pessoas que agem com gentileza, com respeito e consideração são sempre muito admiradas. É o ceder um lugar no ônibus pra alguém que precise, ajudar sua mãe com as sacolas do mercado, sorrir para as pessoas em plena segunda-feira de manhã.

Ser gentil é muito mais profundo do que ser educado e meramente cumprir regras de etiqueta, porque embora possamos ser educados, gentileza se trata de uma característica relacionada com valores e caráter. Além disso, ajuda a contribuir para um mundo humano e eficiente para todos. Temos nos perdido cada vez mais em nós mesmos e temos esquecido de interagir com as pessoas, olhar com um olhar sincero para os que estão à nossa volta, agir com o coração e valorizar pequenas coisas que nos preenchem. A rotina muitas vezes nos impede de ver, de sair da “bolha” que criamos e acabamos nos isolando dentro de nós mesmos. O bom dia que não damos para desconhecidos na rua se torna um bom dia que não damos às pessoas com quem convivemos diariamente... E assim uma bola de neve é formada. 

Tem dias que realmente estamos cansados - ou tristes, ou chateados - e não estamos no clima de “festa”, uma palavra boa, um “como foi seu dia?”, no fim da noite possui o poder de fazer toda diferença, pelo menos na minha vida. Eu tenho me proposto a cada dia um desafio. Tratar as pessoas como eu gostaria de ser tratada, ou pelo menos sorrir mais pra vida, sorrir mais pras pessoas e não deixar que as pedrinhas no caminho sejam obstáculos maiores que me impeçam de caminhar feliz.

Embora tenha ficado meio “auto ajuda”, agradeço muito a quem leu. Peço que, se gostarem, compartilhem pra ajudar a divulgar o blog. Com certeza esse pequeno ato vai me deixar mais feliz. Por fim, peço desculpas se essas palavras não agradaram; minha intenção foi das melhores. Amanhã no ônibus, peço que dê o lugar pra quem precisar, dê boa noite a seus pais ou a quem mora com você, elogie um amigo. Vai, não custa nada.

Concluo com a expressão mais clichê possível, dizendo que... “gentileza gera gentileza”.

Obrigada.


Mariana Freitas
                                                                                          

0 comentários:

Postar um comentário