Por: Fernanda
Imagem de prematuridade.com


Sobre esperar


Quando eu ponho a comida no microondas, espero que ela fique quente em 2 minutos. Espero que meu computador ligue em 8 segundos ou menos. Que no trajeto até em casa eu não fique presa no trânsito, ou sinal fechado. Que os mercados e bancos não tenham fila. Que eu pegue no sono assim que me deitar.

Poucas são as vezes em que tudo acontece na hora que nós queremos, e muitas as vezes em que nos revoltamos com isso. Os exemplos acima ilustram o quão sem paciência nós podemos ser em um mundo que nos promete tudo muito rapidamente. E, por mais exagerado que pareça, essas pequenas coisas realmente conseguem tirar a paz de algumas pessoas.  No entanto, são as grandes esperas que conseguem realmente nos angustiar.

Quando vou arranjar o emprego dos meus sonhos? Quando vou ganhar o salário que eu gostaria? Quando a economia vai melhorar? Quando vou me curar dessa condição física? Quando vou me livrar desse defeito? Quando vou superar essa mágoa? Perguntas desse tipo são muito frequentes em nossas cabeças, e podem até tomar uma dimensão enorme nas nossas vidas.

Conforme a gente cresce, mais cedo ou mais tarde, a gente se depara com a realidade de que nem sempre as coisas saem conforme o planejado e experimentamos frustrações, solidões, privações... E de fato, por mais que a gente se esforce, nem sempre é possível mudar as coisas. Mas existe algo que sempre é possível mudar:  a postura diante destas coisas.

Primeiramente, nós precisamos entender que nem tudo o que a gente quer, a gente precisa. Não sei se o que te aflige hoje é algo grave ou não, mas posso dizer com certeza que existe gente sofre demais por motivos pequenos. Falando por mim mesma, já sofri por ter reprovado na autoescola, por resultado de eleição e até por achar que meu cabelo demorava muito para crescer... É claro que subjetivamente as coisas podem afetar as pessoas de formas muito diferentes, mas quando eu olho para os meus próprios problemas e coloco eles em perspectiva, a vida pode ficar mais leve para mim.

Segundo, não ter as coisas imediatamente faz com que as amemos mais. Certamente meu diploma de faculdade tem mais valor quando me lembro de cada ônibus que peguei, cada café que tomei e cada hora que passei estudando. O esforço que fazemos e o tempo que esperamos tem o poder de tornar as coisas mais importantes para nós. E passar por uma dificuldade nos ensina a dar mais valor para aquilo que conquistamos.

Terceiro, é possível ser feliz no meio de uma dificuldade. Em geral, as coisas que nos trazem mais felicidade são as mais difíceis de perder: o amor das pessoas, a paz em fazer as coisas com o coração, a presença de Deus... Se as coisas não estão dando certo não significa que eu não estou fazendo certo. E por mais distante que você possa estar de viver isso, a felicidade depende mais das suas escolhas do que daquilo que você tem.

E, para quem acredita, não custa lembrar que existe providência de Deus nas coisas que dão errado. Eu só preciso confiar que na realidade elas estão dando é certo.

E finalmente, ainda que não pareça, as esperas trazem coisas boas para nossa vida: as contrariedades nos fazem criar mais virtudes! A paciência, o trabalho árduo, a humildade para pedir ajuda de alguém, a confiança... As esperas nos fazem crescer.

Não ter grana, não ter tempo, não ter condição para fazer e para ter tudo o que quer: isso é ser adulto. Não deixar isso ser condição da minha felicidade: isso é maturidade.

No fundo, a gente tem muito o que agradecer às demoras da nossa vida, porque quando a gente se acostuma a ganhar tudo o que quer, nada é suficiente.

E termino deixando um desejo sincero de alguém que ainda espera muita coisa que não tem:


-Não desanime!


Fernanda Gonzalez
Mestranda em Engenharia Urbana / Oficina de Valores

0 comentários:

Postar um comentário