Por: Záira Caroline
Imagem: www.victorianweb.org


A peça “Hamlet” de William Shakespeare foi escrita entre 1599 e 1602 e é uma das obras dramáticas mais adaptadas e encenadas de todo o mundo. A narração tem como cenário o castelo de Elsinor na Dinamarca e como foco principal a luta de um príncipe, Hamlet, em vingar a morte de seu pai, morto pelo próprio irmão. Hamlet, mesmo tomado por grande ira, não dispõe da frieza necessária para cometer tal crime, porém o príncipe decide tomar um caminho sem volta, mergulhando em uma série de dilemas éticos e morais, que o influenciarão na escolha de seu trágico destino. Desta forma, trata-se de uma obra riquíssima culturalmente e representativamente, pois ao terminar de lê-la sentimos vontade de explorar o mundo.

Mas o que uma peça escrita no século XVII, cujo foco é a busca de um príncipe – melancólico, desequilibrado e cheio de crises – por vingança, poderia ensinar para a juventude do século XXI? Muito poderia ser ensinado, afinal, não é em um mundo melancólico, desequilibrado e cheio de crises que os jovens estão vivendo? A partir dos conflitos de Hamlet, pode-se entender os nossos próprios conflitos. 

Hamlet é um ser imperfeito, incoerente, incompleto e contraditório que se pergunta a todo instante “Quem é você?”, como se cada espectador pudesse lhe dar uma resposta ou ao menos uma confirmação de sua identidade. Por tratar-se de um homem introspectivo e altamente reflexivo, Hamlet ultrapassa as barreiras do mundo físico e sofre um choque de realidade, mergulhando na sua própria existência e passando a enxergar de maneira diferente o que o cercava. Sua melancolia e profunda tristeza passam a atuar juntamente com sua inteligência e sagacidade, em busca do seu objetivo. É a partir deste choque existencial que são ressaltados os 05 ensinamentos de Hamlet para a juventude.

Tais ensinamentos resumem-se na construção da consciência, da personalidade individual, da aceitação de si próprio, da busca de seus objetivos e da confiança em Deus. Estes são pontos conflitantes entre os jovens, visto que, é na adolescência que estas características pessoais concretizam-se ou não. É nesta fase que se começa a delinear o que será o futuro, que caminho seguir, que tipo de pessoa ser e isto é muito difícil, principalmente quando não há um objetivo e não se faz ideia do que deseja. Assim, torna-se fácil deixar que as pessoas influenciem suas decisões, pois ainda não há uma base sólida para que todos os sonhos e expectativas possam se firmar. Hamlet também era um jovem de sua época e como todo jovem passava por situações conflituosas, principalmente por conflitos psicológicos. Era um homem triste, problemático, cheio de contradições e questionamentos, mas ao mesmo tempo extremamente consciente, dono do seu destino, de personalidade forte e temente a Deus. O fato é que ele procurou dentro de si maneiras para passar pelas más situações, pois a partir do momento em que nos conhecemos de verdade, nada nem ninguém consegue nos desviar de nossos objetivos, nos ofender ou influenciar nossa personalidade. Hamlet somos nós, seres humanos, imperfeitos, porém donos de todas as ferramentas necessárias para mudarmos o rumo da história.  

Záira Caroline Dutra Carreiro
Professora de Língua Portuguesa e Literatura

2 comentários:

Luis Claudio Brasil disse...

Oi Záira, somente hj li seu rico trabalho. Um texto suave e saboroso. Vou ler a segunda parte urgente. Congratulações. Luis Claudio

Luis Claudio Brasil disse...

Oi Záira, somente hj li seu rico trabalho. Um texto suave e saboroso. Vou ler a segunda parte urgente. Congratulações. Luis Claudio

Postar um comentário