Por: Júlio
Logo do projeto


No último final de semana fiz uma experiência marcante, o retiro do Projeto Espalhando Esperança onde tive a oportunidade de viver 4 dias com os acolhidos do centro masculino da Fazenda da Esperança de Guaratinguetá – SP. 

Espalhada em 16 países e com mais de 110 centros de recuperação - tanto masculinos quanto femininos - a Fazenda da Esperança é uma comunidade terapêutica que há mais de 30 anos vem atuando na recuperação de jovens dependentes químicos, sendo uma das maiores do mundo e com êxito em cerca de 80% dos casos.

O objetivo do retiro do Projeto Espalhando Esperança é de levar o participante a conhecer o funcionamento da Fazenda para depois fazer uma experiência de voluntariado num tempo mínimo de 30 dias. Um desafio onde os voluntários poderão dedicar um período de suas vidas em qualquer fazenda do Brasil ou do exterior. 

Confesso que nunca havia vivido algo tão concreto. Foi um retiro onde não ouvi nenhuma palestra, a não ser as belíssimas homilias carregadas de lindos testemunhos nas missas presididas pelo padre Luiz, presidente da obra, mas a ideia era justamente viver a realidade enfrentada no dia-a-dia da fazenda. 

No primeiro dia fui direcionado à casa Jose Rosendo, uma das residências da Fazenda que acolhe até 14 pessoas e que tem como atribuição cuidar da padaria e da confecção de velas. Cheguei no horário da janta e percebi muito amor em cada gesto dos que me acolhiam e partilhavam comigo aquele momento. Na casa ainda tive a alegria de ter como coordenador um carioca que contou sua história de vida e como havia chegado na Fazenda depois de viver a realidade de situação de rua no Rio de Janeiro.

No segundo dia de retiro fiz a experiência de estar com eles na padaria, pois sábado à noite era dia de festa caipira e dia de acolher os novos "recuperandos" que sempre são recebidos com festividade. Tive que ajudar a colocar uma mesa enorme e pesada na padaria que nos tomou quase toda parte da manhã, mas em cada atividade pude estar conversando e conhecendo a história de muitos deles.

Percebi nas conversas que boa parte dos “recuperandos” era do Estado de São Paulo, mas a Fazenda da Esperança é um local onde encontramos pessoas de diversos lugares do país e do mundo. Ouvi muitas histórias que me chamaram bastante atenção, como a de um jovem que teve seu primeiro contato com o crack através da própria mãe.

Mas o penúltimo dia reservou pra mim alguns momentos fortes, primeiro tive a graça de conhecer um dos belíssimos trabalhos da Fazenda da Esperança, a Casa Sol Nascente que acolhe pessoas debilitadas pelo vírus HIV e depois visitei o orfanato, também mantido pela instituição. 

Após a missa realizada na Casa Sol Nascente ouvi um lindo testemunho de uma senhora que é portadora do vírus por 25 anos. Pude ver quantas vezes sou ingrato com a vida. A senhora, toda debilitada, cega de uma vista e com fortes dores no corpo, partilhava a alegria de estar sofrendo e poder oferecer tudo a Deus.

Consegui me enxergar nos jovens que estavam na Fazenda, pois no próximo dia 25 completo 15 anos de Sobriedade, longe de qualquer tipo de substância química, lícita ou ilícita, que modifica as funções normais de meu organismo e que quase me levou à morte. 

Assim como eu nunca imaginaria que uma simples degustação pudesse ser tão progressiva quase me tirando a vida, vejo que hoje em dia é muito mais comum pessoas caindo na armadilha como, por exemplo, a de degustações artesanais, com o risco de adquirirem essa doença progressiva, incurável e fatal – que é o alcoolismo. É como brincar de roleta russa. 

Acredito que espalhar esperança é ser um farol no mundo e busco viver assim. Não foram poucas as vezes que algumas mães vieram partilhar comigo a alegria de poderem ver na minha perseverança longe das drogas uma esperança para seus filhos. 

Muitas vezes escolher ser farol é abrir mão daquilo que não me faz falta e ser radical mesmo naquilo pelo que possa sentir desejo . Um pai que escolhe não ter um bar em casa diminui a possibilidade de um filho ser um alcoólatra, alguém que opta em não mais usar drogas é sinal de esperança para os que usam compulsivamente e caminham para a morte.

Enfim, agradeço muito a Deus por me presentear com essa linda experiência e ter me dado a oportunidade de ter encontrado uma proposta de vida semelhante a que é oferecida pela Fazenda da Esperança. No último dia saí com o propósito de estender mais minhas mãos e ajudar os que sofrem com os flagelos das drogas, permanecer decidido em nunca mais estendê-las pra levantar um copo de bebida alcoólica, e, nas próximas férias, doar alguns dias fazendo a experiência junto em alguma Fazenda.


Júlio Tavares
Bancário - Estudante de Serviço Social
Fundador da Oficina de Valores


Conheça mais a Fazenda da Esperança no site:

2 comentários:

Marcus Fábio leite Andrade disse...

Foram dias incríveis, acabei vindo antes pra deixar algumas coisas prontas pra uma missão longe.. Foi um imenso prazer te conhecer, e partilhar esses dias... Tenha uma ótima semana..abs

Marcus Fábio leite Andrade disse...

Foram dias incríveis, acabei vindo antes pra deixar algumas coisas prontas pra uma missão longe.. Foi um imenso prazer te conhecer, e partilhar esses dias... Tenha uma ótima semana..abs

Postar um comentário