Por: Nathalia


Antes de mais nada, eu amo ler! Ainda que a literatura tenha entrado em minha vida tardiamente, quando eu tinha dezessete anos, hoje ela faz parte de todos os meus dias.

Lembro-me de que quando eu tinha uns doze anos, a professora de português entregou um livrinho para cada aluno da minha turma e disse que deveríamos lê-lo para a prova. Primeiro, foi um desespero total. Segundo, um tédio. Mais tarde, na faculdade, li esse livro novamente, ele é água com açúcar mesmo, mas a experiência foi bem menos entediante e bem mais produtiva. Se você não tem o hábito da leitura, gaste uns minutinhos com esse texto, mesmo ele não sendo um clássico, não mesmo. Mas vai que ele lhe ajuda a começar desenvolver esse costume. E se você já tem esse hábito, compare com os ensinamentos que você mesmo teve ao longo dessa aventura.

Mas então, o que os livros me ensinaram?

Bom, o primeiro benefício é o próprio contato com o livro. É o acesso ao conhecimento, é a capacidade de me tornar mais crítica a partir daquele texto, é o autoquestionamento. O fato é que ao ler eu me torno uma pessoa melhor, que olha para o mundo e o entende um pouquinho mais.

Assim, algumas virtudes foram criadas e desenvolvidas em mim a partir da leitura. Uma delas é a perseverança. Todo livro tem que ser terminado, mesmo que eu o considere chato. Muitas vezes nós enrolamos para executar as tarefas menos agradáveis do nosso dia a dia, aquelas que nos custam mais. No entanto, por mais que posterguemos nossos afazeres, mesmo tendo passado muito tempo, eles ainda estarão nos esperando, por serem feitos. Então é melhor ler primeiro e rápido o livro que está chato para que eu posso ler logo aquele que estou ansiosa porque sei que será legal. Assim como é melhor terminar de fazer o que me custa mais para eu poder fazer as atividades mais agradáveis logo.

Outra questão que tem sido aprimorada em mim é ampliar os horizontes, sem preconceito. Normalmente, quem lê tem um estilo preferido de livros, um gênero literário que mais lhe agrada, eu também tenho. Mas cada vez mais tenho percebido que conhecer outros estilos, que não são os meus favoritos, tem me feito amadurecer e a aprender a gostar deles. Há um tempo eu simplesmente não lia nada da literatura brasileira (literatura brasileira não é um gênero literário), puro preconceito. Hoje tem sido o que eu mais tenho lido e fico pensando: Como eu sobrevivi sem ler Machado de Assis, Guimarães Rosa, Erico Verissimo? Claro que é um exagero, mas em literatura, ler de tudo é fundamental.

Constância. Hábito. Não importa ler muito, mas ler sempre. É claro que quando eu tenho tempo para ler muitas horas seguidas é ótimo, principalmente quando o livro é maravilhoso, lê-lo em um fôlego só. Contudo, com nosso tempo corrido, isso é exceção. Portanto, é importantíssimo otimizarmos os momentos que temos. Aqueles minutos em que estamos em uma fila, o intervalo entre um compromisso e outro. Enfim, a falta de tempo não pode ser um empecilho e quando estiver livre é aproveitar desse tempo para descansar lendo. Criar um hábito é extremamente difícil, por isso um hábito se consolida no dia a dia, todo dia ler um pouquinho.

Outro ensinamento foi ter meta. Como na vida, não dá para alcançar um objetivo sem ter planejamento. Por isso comecei a estabelecer metas de leitura, assim, todo ano tento ler um número específico de livros. Em alguns anos eu consigo, em outros não. Mas o mais importante é o esforço aplicado para conseguir. Dentro dessa meta há livros de lazer, aqueles que não acrescentam tanto para minha formação, mas que eu gosto; livros clássicos, tanto de literatura brasileira, quanto de estrangeira; livros de estudo e livros de formação cristã. Tente você também estabelecer uma meta e anotar tudo o que você leu, isso também ajuda a ter um controle dos livros lidos.

Algumas pessoas podem enxergar a literatura como fuga da realidade, como evasão. Mas na verdade a experiência com os livros me ensinou exatamente o contrário, fez ser melhor. E na medida que leio, quero ler mais. Na medida que descubro, quero descobrir mais. Descobri nos livros a fascinação de um caminho que percorrerá uma vida inteira. Que venham muitos livros ainda...

Nathalia Pereira
Professora de Língua Portuguesa
Oficina de Valores

0 comentários:

Postar um comentário